Pneus reformados podem rodar mais de 300 mil km

Especialista traz os benefícios da reforma e ressalta como ela pode trazer economia em 2022
Os pneus são um dos grandes responsáveis pela segurança e conforto ao dirigir. Em alguns casos do pneu de carga, por exemplo, a sua vida útil total alcança os 300 mil km com as reformas — mas, para que isso ocorra, é necessário que o proprietário do veículo tenha uma série de cuidados para conservá-los.

“Os pneus são responsáveis pela aderência no asfalto, ou seja, eles são responsáveis pela boa condução e segurança de todos que estão no veículo. Os cuidados com os pneus devem ser frequentes, e não somente quando for realizar uma viagem ou passeio que leve uma longa distância”, comenta Gervásio Barbosa, colaborador da NSA Pneutec.

Caso os pneus estejam em mau estado, aumentam a distância de frenagem e podem causar derrapagens, levando a acidentes graves, além de ser passível de multa o ato de dirigir com os pneus carecas ou em mau estado.

Para ajudar os motoristas, Gervásio lista 5 pontos de atenção que todos devem seguir para cuidar bem dos pneus em 2022:

  • Calibre os pneus periodicamente;
  • Fique atento ao peso máximo suportado pelos pneus;
  • Cuidado com as freadas bruscas, se possível, evite-as;
  • Mantenha o estepe sempre em dia e calibrado;
  • Verifique os sinais de desgaste dos pneus.

Os proprietários de veículos também não podem se esquecer do balanceamento das rodas e pneus ou alinhamento do veículo. Essa revisão deve ser feita a cada 10.000 km rodados, na troca ou no conserto do pneu, quando o automóvel sofrer impactos na suspensão ou quando o carro estiver “puxando” para um dos lados.

Reformar os pneus visando 2022 é um bom negócio?

O segmento de reforma de pneus apresentou um grande crescimento na última década. Com um faturamento atual de R$5 bilhões por ano, muitos setores da sociedade já admitem ter preferência por pneus reformados ao invés de pneus novos.

O pneu reformado oferece rendimento quilométrico semelhante ao pneu novo, mas com um valor 60% mais econômico para o consumidor, o que apresenta uma redução significativa no custo/km para o setor de transporte, por exemplo. O pneu é o segundo maior custo de uma transportadora, atrás somente do combustível.

No segmento de carga, por exemplo, o pneu reformado equipa cerca de dois terços do total de veículos no Brasil. Com isso, é inegável a relevância do setor de reforma de pneus para a economia do segmento de transportes.

“Sem dúvida, quem já reformou em dezembro ou vai realizar ainda no começo de janeiro pensando em 2022 está fazendo um bom negócio. A reforma do pneu custa, em média, 60% a menos, comparado aos pneus novos, e entrega um desempenho similar e muitas vezes maior que o novo. Neste ponto, o consumidor pode apostar que está fazendo um bom negócio”, diz o especialista.

Pneus reformados são tendência pelo seu papel sustentável

A crescente preocupação com o meio ambiente colabora com o crescimento da aderência de pneus reformados.

Para a fabricação de um pneu comercial novo, são utilizados 79 litros de petróleo, enquanto, um pneu reformado, consome cerca de 29 litros. Já nos pneus de veículos usuais das pessoas no dia a dia (carros e motos), a fabricação de um novo pneu precisa de 27 litros e, um reformado, apenas nove litros.

“Precisamos colocar na mesa o compromisso com o meio ambiente, pois, quando se descarta uma carcaça de pneu usada, ela pode levar até 900 anos para se decompor na natureza. A reforma de pneus garante um retorno ambiental de 80% a menos de CO₂, do que seria gerado pela produção de um pneu novo”, finaliza Gervásio.