Roubos de carga causam prejuízo de R$ 619 milhões para a indústria no Rio em 2016

Só em 2016, os roubos de carga no estado trouxeram um prejuízo de R$ 619 milhões, um valor que daria para pagar um mês de toda a folha de pagamento da Polícia Militar do Estado e de seus inativos do estado com folga. Estudo divulgado nesta quinta-feira pelo Sistema Firjan, revelou que em seis anos, aumento das ocorrências no estado foi de 220,9% e prejuízo chegou a R$ 2,1 bilhões. De janeiro da dezembro do ano passado, o Rio registrou 9.862 roubos de cargas, o terceiro recorde consecutivo em 25 anos. De acordo com o estudo “O impacto econômico do roubo de cargas no estado do Rio de Janeiro”, das 139 delegacias da Polícia Civil no estado, 12 concentram mais da metade das ocorrências. O Sistema FIRJAN ressalta que estes locais ficam no entorno das principais rodovias (Avenida Brasil, BR-040, BR-101-Norte e BR-116) e possuem trechos dominados pelo crime organizado, notadamente o tráfico de drogas.

De 2011 a 2016, foram mais de 33,2 mil ocorrências – uma a cada 1h35. A Região Metropolitana concentrou 94,8% do total estadual (31,5 mil). O avanço nestes seis anos foi mais acentuado na Baixada, na capital e no Noroeste Fluminense. Em Guapimirim, o crescimento foi de 2.600%. Japeri teve aumento de 1.700%, Mesquita de 1.031% e Itaguaí de 1.000%.

Para a Federação, o roubo de cargas afeta negativamente o setor produtivo, elevando os custos relativos ao frete e gerando perda de competitividade, e também para a sociedade, por conta do aumento do preço final das mercadorias. A Federação destaca ainda que regiões com grande incidência passam a ser evitadas e a população local enfrenta o risco de desabastecimento ou de se tornar refém do crime organizado, que controla o comércio local.

Ao comentar o impacto dos roubos na economia do estado, Riley Rodrigues, gerente de Estudos de Infraestrutura do Sistema Firjan, lembra que a conta levou em consideração apenas o valor da carga:

— O prejuízo total na indústria, no transporte, nos revendedores, no consumidor e no governo (que é a perda de arrecadação) ele é bastante superior a isto.

RIO PAGARÁ TAXA EXTRA POR ROUBOS DE CARGAS

Segundo Riley Rodrigues, um novo impacto será sentido pelo consumidor a partir de agora, com a criação pelas empresas transportadoras de uma taxa diferenciada para o Rio de Janeiro:

— No final da semana passada houve uma reunião em Goiás,as federações de transportes do Brasil inteiro decidiram que vão cobrar, de toda carga com origem ou destino no Rio de Janeiro, uma taxa excepcional extraordinária, esta taxa vão cobrar de 0,3% a1% do valor da carga transportada ou um valor mínimo que vai de R$ 10 a R$ 15 a cada cem quilos. Então no caso de um Bitren que carrega até 75 toneladas, o a taxa custará R$ 11.250 reais. É claro que este preço recairá sobre o dono da carga e vai reverberar no consumidor final . E isto é perda de competitividade. Estes são custos que não estão na conta dos R$ 613 milhões. São custos indiretos.

Entre os motivos para o crescimento dos casos de roubos, em especial no Rio de Janeiro, o gerente de Estudos de Infraestrutura do Sistema Firjan listou o fato das organizações criminosas que lidam com tráfico de drogas e contrabando de armas passarem a usar o roubo de cargas para se financiarem e também o encolhimento da capacidade da segurança, em razão da calamidade financeira do estado:

No Mapa do Desenvolvimento do Estado do Rio de Janeiro 2016-2025, lançado pelo Sistema FIRJAN no ano passado, o combate ao roubo de cargas é apontado como uma das prioridades. Por isso, a Federação sugere uma série de ações que precisam ser implementadas simultaneamente.

Fonte: NTC&Logística

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.